21 DE Abril DE 2021

Bonnie Parker e Clyde Barrow eram dois ladrões, fugitivos e criminosos do Texas que se tornaram famosos na década de 1930 por roubar bancos e estabelecimentos e raptar por dinheiro. Clyde matou 10 pessoas em incidentes separados, mas afirma-se que Bonnie nunca disparou uma arma e que foi guiada pelo seu amor ao namorado.

O seu final trágico levou-os a serem comparados a Romeu e Julieta. A sociedade da época também os considerava dois Robin Hoods modernos, porque durante a Grande Depressão qualquer tentativa de ir contra as autoridades e as classes dirigentes era vista como heróica. A sua história tem sido transformada em filmes em diversas ocasiões.

 

Primeiros anos em Dallas

Bonnie nasceu no Texas, a 1 de Outubro de 1910, numa família humilde com três irmãos. Quando tinha quatro anos, o seu pai morreu e eles foram viver para Dallas com os seus avós maternos. Quando criança, era uma estudante exemplar que se distinguia em literatura e poesia. Aos 16 anos casou com outro adolescente, que abusou dela, e quando o marido foi para a prisão por roubo, ela voltou para os seus familiares.

 

Clyde nasceu a 23 de Maio de 1909 e era o quinto de sete irmãos, de uma família pobre de Dallas. Começou a cometer crimes quando era muito jovem e tinha acabado de ser libertado da prisão quando conheceu Bonnie. Foi em Janeiro de 1930, no bar onde ela trabalhava como empregada de mesa. Ele tinha 20 anos de idade e ela 19.

 

Apenas algumas semanas depois, Barrow foi novamente preso por roubar carros e condenado a 14 anos de prisão. A sua namorada passou-lhe secretamente uma arma e Clyde escapou com outros companheiros, mas foram capturados uma semana mais tarde. Saiu em liberdade condicional em Fevereiro de 1932.

 

O bando de Barrow

Assim que pisou a rua, o jovem retomou a sua carreira criminosa e Bonnie juntou-se ao bando que liderava. A rapariga foi logo capturada e, enquanto estava na prisão, Clyde cometeu o seu primeiro homicídio: o dono de uma loja que tentou roubar com outro parceiro.

 

Mas este não foi o seu último crime. Pouco tempo depois, em Agosto de 1932, enquanto Bonnie, agora livre, visitava a sua mãe, o seu namorado disparou e matou um xerife que o prendeu por beber álcool durante a Proibição.

 

Em Abril de 1933, o irmão de Clyde e a sua mulher, Buck e Blanche, juntaram-se ao grupo. Dois meses depois, Barrow distraiu-se ao volante e capotou o carro. Bonnie sofreu queimaduras numa perna e ficou aleijada para toda a vida. Para a ajudar a recuperar dos seus ferimentos, pararam em Platte City, Missouri, mas logo despertaram as suspeitas da polícia e tiveram de fugir no meio de um tiroteio. Buck e Blanche ficaram feridos.

 

Alguns dias mais tarde escaparam novamente após terem sido localizados num parque de diversões abandonado perto de Dexter, Iowa. Buck e Blanche foram novamente atingidos por balas. Ele foi morto e ela foi presa.

 

Com o intuito de reagrupar o bando, em Janeiro de 1934 os restantes membros ajudaram um antigo associado do Clyde a fugir da prisão, matando um guarda. Também apanharam outro fugitivo, Henry Methvin, e a 1 de Abril ele e Clyde dispararam e mataram dois polícias de trânsito.

 

A caça ao casal

Para caçar o bando Barrow, o capitão reformado do Texas Ranger Frank A. Hamer foi chamado e coagiu o pai de Methvin a libertar o seu filho se ele o ajudasse a capturar Bonnie e Clyde. O homem montou uma armadilha para os jovens, e quando estavam a caminho de casa, foram alvejados pela patrulha de Hamer. Era 23 de Maio de 1934, 25º aniversário do Clyde.

Os polícias dispararam todas as munições das suas espingardas de caça, espingardas automáticas e pistolas. Os lendários criminosos morreram no local.

 

Tem havido muita especulação sobre a legalidade desta intervenção. A lei americana proíbe o disparo, a menos que as vidas dos oficiais estejam em perigo. No entanto, neste caso, tudo aponta para o facto de que o tiroteio começou quando o carro se aproximava, sem qualquer aviso ou oportunidade de se render.

 

También te puede interesar